quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Videos RCC

video video

Sou um Milagre

video

Escritora evangélica M. Basilea Schlink que (Escreveu sobre Nossa Senhora)

Escritora evangélica M. Basilea Schlink que (Escreveu sobre Nossa Senhora)

Ao ler estas palavras de Martinho Lutero em ´Comentário do Magnificat´, que até o fim de sua vida honrava a mãe de Jesus, que santificava as festas de Maria e diariamente cantava o Magnificat, se percebe quão longe nós geralmente nos distanciamos da correta atitude para com ela, como Martinho Lutero nos ensina, baseando-se na Sagrada Escritura. Quão profundamente todos nós, evangélicos, deixamo-nos envolver por uma mentalidade racionalista, apesar de que em nossos escritos confessionais se lêem sentenças como esta: ´Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau´.

O racionalismo ignorou por completo o mistério da santidade. O que é santo, é bem diferente do resto; diante do que é santo, só nos podemos quedar em admiração, adorar e prostrar-nos no pó. O que é santo, não é possível compreendê-lo. Diante da exortação, de Martinho Lutero, de que Maria nunca pode ser suficientemente honrada na cristandade, como a mulher suprema, como a jóia mais preciosa depois de Cristo, e sou obrigada a me confessar adepta daqueles que durante muitos anos de sua vida não seguiram esta admoestação de exaltá-la e assim também não cumpriram a exortação da Sagrada Escritura segundo a qual as gerações considerariam Maria bem-aventurada (Lucas 1,48). Eu não entrei na fila destas gerações. É verdade que também li na Sagrada Escritura como Isabel, mulher agraciada por Deus, falando pelo Espírito Santo e denominando Maria a mãe do meu Senhor, lhe prestou a maior homenagem, ao lhe dizer como prima mais idosa: Donde me vem a honra de tu entrares em minha casa?!Eu, de fato, poderia ter aprendido o procedimento correto com Isabel. Mas eu não prestei homenagem a Maria com pensamento algum, com nenhum sentimento do coração, com palavra alguma, nem com algum canto. E muito menos eu a louvava sem fim, deixando de seguir a orientação de Lutero, quando escreve que jamais chegaríamos a exaltá-la o suficiente.

Minha intenção, ao escrever este opúsculo sobre o caminho de Maria, segundo o que diz dela a Sagrada Escritura, foi conscientemente reparar esta omissão pela qual me tornei culpada para com o testemunho da Palavra de Deus. Nas últimas décadas o Senhor me concedeu a graça de aprender a amar e honrar cada vez mais a Maria, a mãe de Jesus. E isto, à medida que, pela Sagrada Escritura, me ia aprofundando no conhecimento de sua vida e dos seus caminhos. Minha sincera intenção, ao escrever este livro, é fazer o que posso para ajudar, a fim de que entre nós, os evangélicos, a mãe de nosso Senhor seja novamente amada e honrada, como lhe compete, segundo as palavras da Sagrada Escritura e conforme nos recomendou Martinho Lutero, nosso reformador.

Com gratidão gostaria de confessar aqui quanto o testemunho de sua obediência, de sua entrega total de disponibilidade para andar todos os seus penosos caminhos, me foram uma bênção. Pois ela viveu e andou o caminho da humilhação, numa atitude que no dizer de Lutero, quando escreve a introdução ao Magnificat nos pode servir de exemplo: A delicada mãe de Cristo sabe ensinar melhor do que ninguém pelo exemplo de sua prática como devemos conhecer, louvar e amar a Deus.

Quanto amor nós, os evangélicos, dedicamos aos apóstolos Paulo e Pedro! Muitas vezes até encontramo-nos num relacionamento individual e espiritual com eles. Nós os honramos e lhe agradecemos por terem andado este caminho de discípulos de Cristo. Agradecemos ao apóstolo Paulo, porque sabemos que, sem ele, a mensagem de Jesus não teria chegado até nós, os gentios. Exaltamos, cheios de gratidão, os mártires de nossa Igreja, cujo sangue foi semente da qual a Igreja tira vida. E nos esquecemos muitas vezes de agradecer a Maria, a mãe de nosso Senhor.

Não está ela inserida na nuvem de testemunhas que nos circundam (cf. Hebreus 12,1) e cujo testemunho nos deve fortalecer para a luta que temos a sustentar?

Se nós honramos apóstolos e arcanjos e deles esperamos que sejam nossos guias no caminho, usando seus nomes para denominar comunidades e igrejas nossas, então, como é que poderíamos excluir Maria, que está ligada a Jesus como a primeira e mais íntima e que andou com Ele o caminho da cruz?

A nossa Igreja Evangélica deixou de lhe prestar honra e louvor, receando com isto reduzir a honra devida a Jesus. Mas o que acontece é o seguinte: toda honra autêntica dirigida aos discípulos de Jesus e também à Sua mãe aumenta a honra do Senhor. Pois foi Ele, só Ele, que os elegeu, os cobriu com Sua graça e fez deles Seu vaso de eleição. Por sua fé, seu amor e sua dedicação para com Deus, é Deus colocado no centro das atenções e é glorificado.

É intenção nossa como Irmandade de Maria contribuir, em obediência à Sagrada Escritura, para que nosso Senhor Jesus não seja entristecido por um comportamento nosso destituído de reverência para com Sua mãe ou até de desprezo. Pois ela é Sua mãe que O deu à luz e O criou e educou e a cujo respeito falou o Espírito Santo, por intermédio de Isabel: Bem aventurada a que creu!´

Jesus espera de nós que a honremos e amemos. É isto que nos é proposto pela Palavra de Deus e é, portanto, Sua vontade. E somente os que guardam Sua palavra, são os que amam a Jesus de verdade (João 14,23).

(M. Basilea Schlink, escritora evangélica que escreveu, em 1960, o livro Maria o Caminho da Mãe do Senhor e fundadora da Irmandade Evangélica de Maria, em Darmstadt, Alemanha; fonte). Em Lourdes, em Fátima e em outros santuários marianos, a crítica imparcial se encontra diante de fatos sobrenaturais, que tem relação direta com a Virgem Maria, seja mediante as aparições, seja por causa das graças milagrosas solicitadas pela sua intercessão. Estes fatos são tais que desafiam toda a explicação natural.

E continua....

Sabemos ou deveríamos saber que as curas de Lourdes e Fátima são examinadas com elevado rigor científico por médicos católicos e não católicos. Conhecemos a praxe da Igreja Católica, que deixa transcorrer vários anos antes de declarar alguma cura milagrosa. Até hoje, 1200 curas ocorridas em Lourdes foram pelos médicos consideradas cientificamente inexplicáveis. Todavia a Igreja Católica só declarou milagrosas 44 delas. Nos últimos 30 anos, 11000 médicos passaram por Lourdes. Todos os médicos, qualquer que seja a sua religião ou posição científica, tem livre acesso ao ´Bureau des Constatations Medicales´. Por conseguinte, uma cura milagrosa é cercada das maiores garantias possíveis.

Qual é, pois, o sentido profundo destes milagres no plano de Deus? Bem parece que Deus quer dar uma resposta irrefutável à incredulidade dos nossos dias. Como poderá um incrédulo continuar a viver de boa fé na sua incredulidade diante de tais fatos? E também nós, cristãos evangélicos, podemos ainda, em virtude de preconceitos, passar ao lado destes fatos sem nos aplicarmos a um atento exame? Tal atitude não implicaria grave responsabilidade para nós? Por que um cristão evangélico pode ter o direito de ignorar tais realidades pelo fato de se apresentarem na Igreja Católica e não na sua comunidade religiosa? Tais fatos não deveriam, ao contrário, levar-nos a restaurar a figura da Mãe de Deus na Igreja Evangélica?

Somente Deus pode permitir que Maria se dirija ao mundo, através de aparições.

Não nos arriscamos talvez a cometer um erro fatal, fechando os olhos diante de tais realidades e não lhes dando atenção alguma? Cristãos Evangélicos da Alemanha deveremos talvez continuar a opor-lhes recusa e indiferença? Continuaremos a nos comportar de modo que o inimigo de Deus nos mantenha em atitude de intencional cegueira?

Não deveremos talvez abrir o nosso coração a esta luz que Deus faz brilhar para a nossa salvação? Tal problema evidentemente merece exame, não deve ser afastado de antemão, por preconceito, pelo único motivo de que tais curas são apresentadas pela Igreja Católica. Uma tal atitude acarretaria grave dano para nós mesmos e para o mundo inteiro. Grande responsabilidade nos toca. Temos o direito de examinar tais fatos. Não nos é possível passar ao largo e encampar tudo no silêncio. Hoje, em alguns países, está em causa a existência mesmo do Cristianismo. Seria o cúmulo de a tolice ignorarmos a voz de Deus que fala ao mundo, pela mediação de Maria, e dar-lhe as costas, unicamente, porque Ele faz ouvir sua voz através da Igreja Católica. Como quer que seja, não podemos calar por muito tempo sobre tais realidades. Temos que examiná-las, sem preconceito, pois é iminente uma catástrofe.

Poderia acontecer que, rejeitando ou ignorando a mensagem que Deus nos faz chegar através de Maria, estejamos recusando a última graça que ele nos oferece para a nossa salvação. É, por isso, um dever muito grave para todos os chefes da Igreja luterana e para outras comunidades cristãs examinar tais fatos e tomar uma posição objetiva. Este dever impõe-se também pelo fato de que a Mãe de Deus não foi esquecida somente depois da Guerra dos 30 anos e na época dos livres pensadores da metade do século XVIII.

Sufocando no coração dos evangélicos o culto da Virgem, destruíram os sentimentos mais delicados da piedade cristã.

No seu Magnificat, Maria declara que todas as gerações a proclamarão bem-aventurada até o fim dos tempos. Todos nós verificamos que esta profecia se cumpre na Igreja Católica e, nestes tempos dolorosos, com intensidade sem precedentes. Na Igreja Evangélica, tal profecia caiu em tão grande esquecimento que dificilmente se encontra algum vestígio da mesma. Ainda uma vez estas reflexões nos impõem o dever de examinar os fatos acima citados e de tirar dos mesmos todas as conclusões pertinentes.

(Manifesto de Desdém ´ documento redigido por vários teólogos luteranos e publicado pela revista ´Spiritus Domini´ n.5, Maio/1982)

M. Basilea Schlink, escritora evangélica.



Comentários:

Nós católicos rezamos com Maria e os Santos. Somos felizes e devemos confiar plenamente na fé católica. Outras religiões pensam diferente embora a verdade é que Deus (Trino Pai , Filho e Espírito Santo) nunca esteve tão próximo, tão íntimo de uma criatura humana como é o caso de Nossa Senhora (Nossa Maria)!

A Sagrada Família deve ser honrada visto que São José foi o pai adotivo de Jesus, nutriu e ensinou um profissão para o Nosso Senhor Jesus!

Um pensamento simples de entender nossa predileção por Nossa Senhora:
”Maria foi escolhida por Deus e isso já diz tudo o que precisamos saber e sentir sobre Ela”.

Nossa Senhora, que na condição de criatura humana, abrigou em seu seio virginal, seu Filho Jesus e o Espírito Santo (cheia de Graça) , foi a primeira cristã, educadora de Jesus durante sua infância, foi escolhida por Deus, sofreu a dor de ver seu Filho sendo crucificado, merece mais carinho e atenção de todos os cristãos sejam eles Católicos ou Evangélicos. Respeito ainda maior a Deus que elegeu Maria para ser Mãe de Jesus Cristo.

Enxuguei lágrimas escondidas, inspirei bons propósitos; transformei corações! (Maria Mãe de Jesus)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

A Sagrada escritura na vida pessoal do cristão







Uma prática recomendada pela Igreja



É tão grande o poder e a eficácia que se encerra na palavra de Deus que ela constitui sustentáculo e vigor para a igreja e, para seus filhos, firmeza na Fe, alimento da alma, pura e perene fonte da vida espiritual.

É preciso que o acesso a sagrada Escritura seja amplamente aberto aos fieis.

O Papa Bento XVI, na homilia de encerramento do Sínodo da Palavra, em outubro de 2008, exorta:... a tarefa prioritária no início deste milênio e antes de tudo alimentar-se da Palavra de Deus, para tornar eficaz o compromisso da nova evangelização.

Alguns perigos e Alguns cuidados


Situações e experiência diversas fizeram aparecer textos diferentes, tanto na mensagem ou conteúdo quanto na forma. E aqui esta o maior problema para quem deseja ler a bíblia do começo ao fim, como se ela se tratasse de um único texto ditado, escrito na mesma ordem em que se encontra nas versões que conhecemos hoje. Para entrar em cada livro, é preciso ter em conta a situação que gerou o texto, os problemas que a comunidade enfrentava, para que a finalidade o texto foi escrito.

Muitos fizeram uma leitura ingênua do texto, lendo frases fora de seu contexto, sem levar em conta a mensagem como um todo e, as vezes, até deturpando o sentido do texto bíblico.

Outro perigo é ler a bíblia como se ela tivesse caído do céu como um meteoro. Se a Bíblia é fruto da caminhada do povo de Deus,não dá para desliga-la da nossa vida. Nós entramos no texto bíblico com a nossa historia pessoal e comunitária, para que ela possa nos iluminar. Ela não caiu do céu, mas nasceu do chão da historia, nasceu da busca por terra e liberdade. É por isso que a Bíblia não tem para nós respostas prontas.

Do mesmo modo, é preciso estar atento para não cair, no fundamentalismo, ou seja, tomar a Bíblia “ao Pé da letra”. A ideia que os judeus tinham de história, por exemplo, não é a mesma que nós temos, quando lemos os livros históricos, não é o caso de buscarmos neles descrições dos fatos como encontramos nos livros de história atuais. A narrativa da criação do mundo em seis dias, assim, não pode ser lida como relato temporal: trata-se de maneira usada para descrever a presença e a ação amorosa e poderosa de Deus na criação e sustentação do universo.

A LECTIO DIVINA : Uma leitura orante da Sagrada Escritura.


Entre as muitas formas de se aproximar da Sagrada Escritura, existe uma privilegiada , á qual todos somos convidados: á Lectio Divina ou exercício de leitura orante da Sagrada Escritura. Esta leitura orante bem praticada conduz ao encontro com Jesus , mestre, ao conhecimento do mistério de Jesus Senhor do universo. Com seus quatro momentos: Leitura, meditação, oração, contemplação , a leitura orante favorece o encontro pessoal com Jesus Cristo semelhante ao modo de tantos personagens do Evangelho:

Nicodemos e sua ânsia de vida eterna (Jo 3, 1-21);
Samaritana e seu desejo de culto verdadeiro (Jo 4, 1-42)
O cego de nascimento e seu desejo de ver a luz interior (Jo 9);
Zaqueu e sua vontade de ser diferente (Lc 19, 1-10)

Todos eles, graças a esse encontro, foram iluminados e se abriram á experiência da misericórdia do Pai que se oferece por sua Palavra de Verdade e vida. Não abriram o coração para algo do Messias, mas ao próprio Messias, caminho de crescimento “maturidade conforme a sua plenitude” processo de discipulado, de comunhão com os irmãos e de compromisso com a sociedade.

A lectio Divina é um método da leitura da Sagrada Escritura que vem sendo praticado por muitas pessoas na vida da Igreja, especialmente a partir dos tempos do monaquismo. Esta expressão Lectio divina nos foi legada por um dos chamados padres da Igreja Orígenes que viveu pelo final do século II até meados do século III. Orígenes dizia que para se ler a Escritura com proveito é necessário um esforço de atenção e assiduidade, cada dia de novo, tem que voltar á fonte da Escritura, e o que não se consegue com o próprio esforço, deve ser pedido na oração , pois é absolutamente necessário rezar, para se compreender coisas divinas.

Essa proposta de leitura orante foi criteriosamente sistematizada a partir do século XII, quando o monge Guigo de chartreux a organizou em quatro degraus : Leitura , meditação, oração e contemplação, mais tarde acrescentou-se um quinto degrau de ação ),
Dessa sistematização , definiu-se lectio divina é a leitura da Sagrada Escritura feita para suscitar a oração e conduzir á contemplação.
A leitura busca a doçura da vida bem- aventurada, a meditação a encontra, a oração a pede, a contemplação a saboreia. A leitura, em certo modo, leva o alimento sólido á boca, a meditação o mastiga e tritura, a oração extrai o sabor, a contemplação é a própria doçura que alegra e reanima. A leitura atua na casca, a meditação na medula, a oração desejando, a contemplação no amor da doçura conseguida”(Guigo de Chartreux).


O primeiro Degrau: A leitura


É o estudo assíduo da escritura, feito com o Espírito atento.
É o primeiro passo: ler o texto, ler de novo e reler várias vezes, até enteder o que está escrito; feita atentamente e com tempo suficiente, evitar a leitura rápida e superficial.

O Segundo Degrau: a meditação

É uma diligente atividade da mente que, com ajuda da própria razão, procura o conhecimento da verdade oculta.

O Segundo passo é assimilar o que se leu no texto, trazando para a própria vida ou de sua comunidade. É a ruminação do alimento trazido á boca.

O terceiro Degrau: a oração

É o impulso fervoroso do coração para Deus,pedindo que afaste os males e conceda as boas coisas.
O terceiro passo é a nossa resposta a Deus, diante do que foi lido, diante do que ele nos oferece no texto. É a nossa oração: rezar o texto que acabamos de ler tirando dele toda a oração possível.

O Quarto Degrau: a contemplação

É a elevação da mente até sobre si mesma que, suspensa em Deus, sabedoria as alegrias da doçura eterna.
O Quarto passo é por fim, o resultado da leitura que fica nos seus olhos o ajudará a apreciar e a saborear melhor as coisas de Deus e da vida: é a contemplação.

O Quinto Degrau: ação

A interiorização da Palavra de Deus incutirá atitudes de mudança, de conversão pessoal, na vida particular ou comunitária; passe-se agir segundo a orientação prática da palavra lida.
A interiorização da Palavra de Deus incutirá atitudes de mudança, de conversão pessoal, na vida particular ou comunitária, passa-se agir segundo a orientação prática da palavra lida.

Um Plano de Leitura

Seguindo orientações do livro de Reinaldo Bezerra “Bíblia Sagrada, Luz e abrigo para aventura da Vida”.

a) Comece com a primeira carta de São João, Capitulo I. Nos dias seguintes, leia sempre um por dia, os outros quatro capítulos desta primeira carta, a segunda carta de São João , que tem só um capitulo. E a terceira carta de São João, que também só tem um capitulo.


Recomendações

Leia as explicações do rodapé de sua bíblia, sublinhe;
Pergunte-se ao ler cada capitulo: o que Deus está dizendo para mim hoje nesta leitura?

b) Um livro que facilita e predispõe o nosso coração para a oração e o livro dos salmos.

c)Leia o Evangelho de São Joao
d) Leia o Evangelho de São Marcos
e) Depois de Marcos, leia
sequencialemnte tanto Oe vangelho de Lucas como os Atos dos apóstolos.
F) agora leia o evangelho de Mateus.
g) Vamos para um novo passo, entrando em contato agora com outro gênero literário da Bíblia: o gênero epistolar ou simplesmente as cartas.
- Cartas de Paulo: Leia as cartas dirigidas ás comunidades na seguinte sequencia:
Carta aos Efésios
Carta aos Filipenses
Carta aos colossenses
I carta aos tessalonicenses
II Carta aos tessalonicenses
Carta aos Galatas
I carta aos Corintios
II Carta aos Corintios
Carta aos Romanos

Cartas Pastorais

I Carta a Timoteo
II Carta a Timoteo
Carta a Tito
Carta a Filêmon
Carta aos Hebreus
Epistolas Católicas
Carta Tiago
I Carta de Pedro
II Carta de Pedro
Carta de Judas

h) Vamos entrar agora na fase de Leitura dos livros do AT.
i) Finalmente, depois dessa etapa, resta para você apenas a leitura do último livro da sagrada escritura: O livro do Apocalipse.

De uma maneira resumida podemos verificar os para leitura orante da palavra:

1. Leitura

O que diz o texto?
Tomar a Bíblia e ler com a convicção de que Deus nos fala.
Numa atitude de interiorização, silenciar-se para ouvir Deus.

2. Meditação:

O que o texto me diz?
Refletir, ruminar, aprofundar, repetir as palavras significativas.
Aplicar a mensagem de hoje.

3. Oração
O que o texto em faz dizer a Deus?
Conversar com Deus a partir do Texto

Responder as interpelações.
Atitudes de adoração, louvor, agradecimento, perdão.

4. Contemplação:
Ver a realidade com os olhos de Deus.
Mergulhar no mistério de Deus.
Saborear Deus.


Fonte: REVISTA RENOVAÇÃO ANO 11 NUMERO 65 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2010.
RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO BRASIL

Agenda de Formação - Datas EPA E PREGAÇÃO

Inicio da formação da Escola Paulo Apostolo e Ministerio de Pregação terá início dia 26 de fevereiro ,ficando assim as datas para 2011.


Fev - dia 26
Março - dia 19
Abril - dia 16
Maio - dia 21
Junho - dia 25
Julho - dia 23
Agosto - dia 27
Setembro - dia 24
Outubro - dia 15
Novembro - dia 19
Dezembro - dia 10

Bem vindos!

Irmãos em Cristo sejam Bem vindos a este Blog, precisamos se utilizar de todas as ferramentas possiveis para evangelizar.

Espero superar as expectativas dos leitores levando sempre um artigo, um texto,uma frase,uma palavra que vá ao encontro daquilo que você necessite em sua vida.

Fique com Deus! e que o Nosso Deus todo poderoso possa fazer em nossas vidas milagres,curas e prodigios!


Abraços fraternais!




Ralf Berndt

Pregador da Renovação Carismática Católica

Equipe Estadual de Formação do Ministério de Pregação de Santa Catarina

Arquidiocese de Florianopolis SC!

email ralfrcc@hotmail.com